Uma nova forma de Construir e Desenvolver Startups

Este artigo resume alguns pontos sobre uma nova forma de construir e desenvolver Startups.

Trata-se de “Venture Builders”, organizações que constroem  startups usando as suas próprias ideias e recursos,   ‘rompendo’ os modelos correntes de investimento de capital de risco (Angel / VC), aceleradoras e incubadoras. São também conhecidas como “Estúdios de Tecnologia”, “Fábricas de Startups” ou “Venture Production Studios”.

Startup-office-Heisenberg-Media-Flickr-780x516

Diferentemente de incubadoras e aceleradoras, Venture Builders não desenvolvem nem executam qualquer tipo de programa competitivo, que culmina em um dia de demonstração (DEMO Day). Em vez disso, elas obtêm ideias de negócio a partir de sua própria rede de recursos e designam equipes internas para desenvolvê-los (engenheiros, designers, consultores, desenvolvedores de negócios, gerentes de vendas, etc.).

Venture Builders desenvolvem muitos sistemas, modelos ou projetos ao mesmo tempo e, em seguida, constroem empresas separadas ao redor dos mais promissores, atribuindo recursos operacionais e de capital para as empresas do portfólio.

Em sua forma mais básica, uma empresa de construção de startups é uma holding que tem participação acionária nas diversas entidades empresariais que ajudou a criar. Os Venture Builders de maior sucesso são, no entanto, muito mais operacionais e mão na massa do que holdings: Elas levantam capital, recursos humanos, sediam sessões de codificação internas, design de modelos de negócios, trabalhos com equipes jurídicas, construção de MVPs (produtos mínimos viáveis), contratam gerentes de desenvolvimento de negócios, e executam campanhas de marketing muito eficazes durante as fases de pré e pós-lançamento de seus empreendimentos.

Vá se acostumando com a ideia, pois a filosofia de “Venture-Building” é um movimento crescente nas indústrias de tecnologia e de startups. Os Venture-Builders mais notáveis incluem Obvious Corp, que desmembrada Twitter e Medium; HVF (Hard Valuable Fun) de Mark Levin, que produziu Affirm.com e Glow.com; Betaworks, cujo portfólio inclui Instapaper e Blend, e de Rocket Internet da Alemanha (PayMill, Jumia, FoodPanda, etc.). Embora estas empresas bem-sucedidas têm diferenças óbvias em seus modelos de negócios, elas também têm características importantes em comum. Elas usam recursos partilhados (capital, equipes, conexões, etc.) para lançar soluções que, em seguida, evoluem para empresas totalmente operacionais.

O movimento de Venture-Building está começando a se tornar mais popular fora dos Estados Unidos, em lugares como: Holanda nos deu StarterSquad, a autoproclamada “versão europeia do Betaworks”; e a equipe Sul-Africana em Springlab que fez todo o continente Africano orgulhoso com seu modelo de negócio joint-venture inovador.

Existe uma correlação profunda entre o ecossistema de startups e do universo Venture-Building: A empresa de Venture-Building é semelhante a uma startup de tecnologia em que o produto é o empreendimento, o protótipo é o modelo de negócio, e o “código de entrega” significa uma execução perfeita e no tempo certo. Nesse sentido, Venture Builder é essencialmente um negócio startup que desenvolve startups.

Todas as empresas de Venture-Building compartilham esses quatro valores: comprometimento de capital, experiência na indústria (conhecimento do mercado, know-how e expertise operacional), um forte desejo de construir algo novo e uma tendência natural para a colaboração (correlacionada com um profundo respeito pelos valores de confiança, amizade e lealdade). Elas têm constante necessidade de inovar, melhorar e construir melhores soluções.

Outra característica importante de uma Venture-Building é a presença de uma rede de compartilhamento forte capaz de unificar uma vasta gama de recursos de forma mais eficaz. Venture Builders dependem muito da qualidade e da dinâmica das suas redes e, portanto, precisam descobrir qual combinação de recursos produzirá os resultados mais explosivos, a fim de capturar parte do mercado (market-share) mais rapidamente do que seus concorrentes.

O desafio reside na capacidade que os sócios-gestores têm para colocar todos estes recursos sob um órgão que pode construir empreendimentos de uma forma muito focada e dedicada. A rede de Venture Builders deve agir como um conjunto de recursos prontamente disponíveis que criam uma cultura interna de confiança, fluxo de negócios, atenção e determinação.

Este modelo de rede é certamente diferente do modelo de negócio padrão de construir startups, e há uma boa razão para isso: Como o mundo empresarial se adapta às necessidades em constante mudança dos consumidores e clientes corporativos, as startups e as organizações terão que evoluir e compartilhar recursos sob um modelo de negócios unificado, para manter a competitividade e responder às necessidades dos seus clientes mais rapidamente.

Como você deve ter notado, o modelo de negócios Venture-Building é similar ao de uma empresa de Capital de Risco, pois: financia startups, constrói uma carteira e fica de olho em saídas de sucesso. No entanto é muito mais envolvido no aspecto operacional de seus empreendimentos do que um VC tradicional.

“O processo é semelhante à produção de um filme em um estúdio de Hollywood. Com um filme, primeiro você tem que criar ou encontrar a história, em seguida, contratar escritores e um diretor, recrutar talentos, e construir uma equipe de produção, obter os acordos de financiamento e distribuição antecipada no lugar, fazer o filme, fazer pós-produção, obter distribuição mais ampla, comercializar o filme e liberá-lo.” – Nova Spivack

Veja o post completo de Ali Diallo, um empresário americano de origem senegalesa focado na construção de empreendimentos, em “How ‘venture builders’ are changing the startup model”.

Observação: Este artigo eu publiquei originalmente no LinkedIn com o título: “Venture Builders : uma nova forma de Construir e Desenvolver Startups“.

Att. @neigrando

Outros artigos:

Anúncios

A Bolsa de Valores, você, as empresas e o Brasil

Durante alguns anos atuei com as equipes da minha empresa desenvolvendo soluções de software e serviços para o mercado de capitais, em especial o Home Broker, que possibilita a pessoas físicas obterem cotações e negociarem na Bolsa de Valores via Web. Dentre as empresas clientes destaco a Ágora, adquirida pelo grupo Bradesco, que foi sócia de minha empresa entre 2005 e 2009. Tenho certeza que a maioria das transações financeiras executadas na Bolsa trafega utilizando algum código de software desenvolvido por nós. Atualmente utilizo Home Broker como usuário para investir em ações de algumas empresas presentes na BM&F Bovespa.

Não tenho dúvidas sobre a importância da Bolsa de Valores na economia de um país, pois tirando os excessos especulativos de alguns investidores que a utilizam apenas como um jogo para obter ganhos imediatos, os benefícios dela para as empresas sérias e para os investidores conservadores podem ser vistos claramente pela rentabilidade que ela proporcionou ao longo dos últimos anos. Tais investimentos aceleram a atuação das empresas no mercado e conseqüentemente melhoram a economia do país.

Pensando mais no valor real da empresa do que apenas no preço atual das ações dela no mercado, você verá que investir numa empresa presente na Bolsa de Valores é um ótimo negócio, pois você passa a ser sócio da mesma e nem precisa trabalhar nela para poder participar da valorização e dos lucros.  Você compra ações de uma destas empresas através de uma Corretora de Valores usando ferramentas Web online como o Home Broker.

A grande vantagem para as empresas que abrem o capital é que conseguem recursos para sua atividade diretamente dos investidores, dependendo muito menos de empréstimos junto a bancos ou outras instituições financeiras que cobram juros abusivos, além disso, as empresas de capital aberto são mais transparentes e são obrigadas a buscar melhor governança corporativa.

Além da rentabilidade proporcionada, a grande vantagem de investir em ações, ao invés de investir em imóveis, por exemplo, é a liquidez, ou seja, você pode transformar ações em dinheiro em poucas horas.

Na revista Exame, edição 974 de 25/8/2010, a reportagem de capa, que está contida no Guia “Exame Investimentos Pessoais 2010”, fala do poder de atração da bolsa e afirma que: “Nos próximos cinco anos, mais de 4 milhões de investidores estarão entrando no mercado de ações brasileiro, segundo a BM&F Bovespa”.  A revista ainda diz que a BM&F Bovespa é a bolsa que cresce mais rápido em número de investidores no mundo. Atualmente, no Brasil temos apenas 464 empresas na Bolsa com aproximadamente 600 mil investidores individuais,  ou seja, cerca de 0,3% de nossa população, enquanto que em mercados maduros como o americano, mais da metade das famílias é dona de ações. Pelos cálculos da BM&F Bovespa, 200 empresas de porte médio têm potencial para estrear na bolsa de valores até o final de 2014.

Segue algumas dicas para início de investimentos em ações na Bolsa de Valores:

1 – Obtenha informações e adquira conhecimento sobre o assunto. Leia pelo menos um livro, acompanhe noticiários sobre economia e finanças, etc. Lembre-se que em todo e qualquer investimento existem riscos e a informação é muito importante para mitigar riscos e aumentar as possibilidades de ganhos;

2 – Para pequenas quantias (inferiores a R$ 5.000,00) utilize caderneta de poupança, fundos de renda fixa ou fundos de ações;

3 – Se decidir por investir em ações comece devagar, com um percentual pequeno do patrimônio e mesmo com experiência nunca coloque todo o seu dinheiro em renda variável, conserve sempre uma boa reserva em renda fixa;

4 – Inicialmente procure ter uma carteira de ações diversificada, com pelo menos cinco empresas de setores diferentes da economia, para balancear o investimento e não mais que dez empresas para não dificultar a análise e gestão.

5 – Visite o site da BM&F Bovespa em: http://www.bmfbovespa.com.br e entre nas abas/links: Educacional -> Para iniciantes -> Mercado de Ações;

6 – Não deixe de ver os links no final do artigo, pois tem informações de muito valor para quem quer investir.

E lembre que para investir em ações é preciso ter sangue frio e paciência, pensar e investir a médio e longo prazo, procurando aprender a diferença entre valor da empresa e preço de mercado da mesma.

Gosto dos concelhos que Warren Buffed dá aos Jovens, mas que também servem para os adultos:

1 – Fique longe de cartões de crédito e empréstimos bancários, invista o seu dinheiro em você mesmo, e lembre-se:

  • O dinheiro não cria o homem, mas é o homem quem criou o dinheiro.
  • Viva a sua vida da maneira mais simples possível.
  • Não faça o que os outros dizem – ouça-os, mas faça aquilo que você se sente bem ao fazer.
  • Não se apegue às grifes famosas; use apenas aquelas coisas em que você se sinta confortável.
  • Não desperdice o seu dinheiro em coisas desnecessárias; ao invés disto, gaste nas coisas que realmente precisa.
  • Afinal de contas, a vida é sua! Então, por que permitir que os outros estabeleçam leis em sua vida?

2 – As pessoas mais felizes não têm, necessariamente, as ‘melhores’ coisas. Elas simplesmente apreciam aquilo que têm.

Por favor, fique a vontade de contribuir com um comentário e compartilhar este artigo com seus amigos.

Meu endereço no Twitter é: @neigrando –  www.twitter.com/neigrando

Links:

www.bmfbovespa.com.br – BM&F Bovespa

www.simulacaobmfbovespa.com.br – Conheça o SimulAção. O simulador da Bolsa com jeito de homebroker

www.agorainvest.com.br – Ágora – Corretora de Valores Mobiliários

www.valoronline.com.br – Notícias sobre o mercado financeiro

http://br.finance.yahoo.com – Notícias, cotações e outras informações sobre o mercado financeiro

http://br.reuters.com – Reuters Brasil – Notícias do mercado de capitais brasileiro e mundial

www.bloomberg.com – Bloomberg – Notícias mundiais sobre mercado de capitais (em inglês)

http://br.advfn.com – Análise do mercado

www.youtube.com/watch?v=6gqX4ameJSI&feature=player_embedded# – Vídeo sobre como investir produzido pela CVM. Reportagem de Adriana Souza e Silva. Veja mais no site http://www.portaldoinvestidor.gov.br

http://www.tveducacaofinanceira.com.br/episodios.asp?IDVideo=TVEF_Episodio16 – Vídeo de: 21/11/2009 com 12 minutos de duração que mostra como funciona a Bolsa e o mercado de ações.

http://veja.abril.com.br/idade/exclusivo/perguntas_respostas/bolsa_valores/index.shtml – Perguntas & Respostas – Como investir na Bolsa de Valores

www.comoinvestir.com.br/acoes/como-escolher/acoes-para-voce/Paginas/default.aspx – Ações para você

http://jovemmilionario.wordpress.com – Blog com excelentes artigos sobre educação financeira

www.scribd.com/doc/4566394/Investimentos-Os-segredos-de-George-Soros-Warren-Buffet

www.fundamentus.com.br/pagina_do_ser/EnsaiosdeBuffet.htm – Diversos artigos sobre análise fundamentalista

www.bmfbovespa.com.br/Pdf/merccap.pdf – Apostila da Bovespa sobre Mercado de Capitais

http://economia.uol.com.br/financas – Site da UOL sobre Finanças Pessoais

Livros:

Investindo em Ações – Os Primeiros Passos – As dicas do Sr. Alceu, José Godoy, Luiz Gustavo Medina, Marco Antônio Gazel Junior- Editora Saraiva

Bem vindo à Bolsa de Valores , Marcelo Piazza – Editora Saraiva

O Mercado de Ações em 25 Episódios, Paulo Portinho – Editora Campus

Warren Buffett – Lições do maior de todos os investidores, Janet Lowe – Editora Campus

O TAO de Warren Buffett – Como aplicar a sabedoria e os princípios de investimento do gênio das finanças em sua vida, Mary Buffett e David Clark – Editora Sextante

Ganhe mais Investindo em Opções, Marcelo Piazza – Editora Saraiva (para quem já investe em ações e quer aumentar a rentabilidade da carteira)